| Home |

Algumas das aeronaves militares usadas  na Guerra Colonial em Moçambique
"Se Deus quisesse que o homem voasse, tinha-lhe dado asas" (Autor desconhecido)
"Então, Deus deu asas aos avestruzes e aos penguins ... para quê?" (J.G.)


Texan / Harvard T- 6

O T-6 foi um dos mais famosos aviões monomotores de hélice, conhecido por nomes como "Texan", "Harvard", "Yale", "Wirraway", "Mosquito", "Boomerang" e "Tomcat", conforme o país que o usava. Foi adoptado na força aérea de 55 países, desde avião de treino de pilotos, a bombardeiro. Criado em 1935 pela North American, começou a ser utilizado em força em 1940, sendo introduzido em Portugal em 1946.


O T-6, podia ser convertido em caça-bombardeiro ligeiro, equipado com metralhadoras, mísseis, bombas convencionais
ou de napalm debaixo das asa ou actuar como avião de reconhecimento.

(Um T-6 a recolher as rodas. Foto SAAF)

Foram pintados segundo vários esquemas como com a fuselagem em cinzento metálico (alumínio), e os lemes de profundidade e de direcção, as pontas das asas e uma faixa na fuselagem traseira pintados a amarelo alaranjado, mas houve outros exoticamente personalizados.

Os T-6 utilizados em Moçambique durante a guerra colonial estavam estacionados em Nampula na base AB 5, a maioria pintada de cor de alumínio, ou com tinta anti-radiação a preto e verde-mate (baço) de protecção contra mísseis terra-ar do tipo "Strella".

Belicamente, foram usados pela última vez em Portugal, a 11 de Março de 1975 no falhado golpe militar do General Spínola, como contramedida para abortar a "Matança da Páscoa" um plano da estrema esquerda e do PCP,  de "assassínio de centenas de civis, políticos e militares". Nesse dia, Spínola juntou 10 helicópteros Alouete III, dos quais só 2 estão armados, 3 aviões de transporte Nord 2501-F Noratlas, 4 aviões T-6, dos quais só 2 estavam armados, e 160 pára-quedistas de Tancos (40 nos Alouette e 120 nos Noratlas).
Dois dos T-6 bombardearam o RAL 1, matando o soldado Joaquim Luís e fazendo 14 feridos. Após este infeliz incidente os pára-quedistas retiraram o apoio a Spínola, fazendo abortar o golpe.
Nesta tentativa de golpe foram usados outros meios bélicos como, por exemplo, quatro caças F-86 e dois Aviocar com pára-quedistas, vindos de outras bases.

Os espanhóis usaram os T-6 pela última vez em combate em 1975, no Norte de África.

Em vários países continua no ar para fins pacíficos como festivais de acrobacia e, em 1991, a África do Sul estabeleceu um recorde mundial ao voar uma formação, em "diamante", de cinquenta T-6.
Um selo da Austrália onde oT-6 éconhecido como "Boomerang"
 
 

Um T-6 a aterrar (foto FAP)

T-6 com armamento diverso sob as asas  (Foto J. S. Pereira)
www.aeronauta.com/aero.fenix/t-6fap.html
Especificações
Envergadura (asa a asa): 42 ft. (1 ft =31 cm. aprox.)
Comprimento: 29 ft. 6 in. (1 in =2,54 cm aprox.)
Altura: 10 ft. 10 in.
Peso com carga e combustível: 5,617 lbs. (1lbs=0,45 g aprox.)
Armamento possível: ver figura acima, à direita.

Motor: Um, radial, Pratt & Whitney R-1340 def 600 hp.
Velocidade máxima: 206 mph. (1 milha = 1,6 km aprox.)
Velocidade de cruzeiro: 145 mph.
Raio de acção: 1000 Km com tanque suplementar de 250 litros
Teto:: 23,200 ft

Dornier DO-27   (Foto FAP)

"Os aviões Do 27, de que a Força Aérea teve 133 exemplares nas versões A3 e A4, começaram a ser recebidos em 1961. 

Estes aviões foram adquiridos para operação no Ultramar, em missões de transporte ligeiro, evacuação sanitária e reconhecimento armado, para o que eram equipados com lança foguetes" Fonte FAP.

Dornier DO-27
Foi o primeiro avião feito na Alemanha (Oeste) depois da Grande Guerra, seguindo o mesmo conceito do Fieseller Storch. Foram manufacturados 628, e tanto teve uso  civil como militar

Especificações do Dornier DO-27
Motor- Lycoming GO-480-B1A6 de 270 hp)
Envergadura................................. 12,00 m 
Comprimento................................... 9,54 m 
Altura.............................................. 3,28 m 
Superfície Alar............................ 19,40 m2
Peso vazio..................................... 983 Kg 
Peso equipado.............................. 1570 Kg
Velocidade máxima..................... 250 km/h
Raio de acção................................ 870 km 
Razão de subida........................... 198 m/min 
Tecto de serviço........................... 5500 m
Tripulação: 1 + 5*


Ilustração num kit de montagem do modelo do
 Nord 2501 Noratlas.
 
Notar a característica de ter duas caudas

Foram retirados do serviço em 1978, havendo 3 no Museu da Força Aérea Portuguesa.

Noratlas, também conhecido por Nordatlas.
Em 1960 a Força Aérea Portuguesa adquiriu 6 Nord 2502-A Noraltas e, em 1962,  6 Nord 2501-F Noraltas, estes últimos com motores mais  poderosos. que foram estacionados na AB9 em Luanda e na AB 10 na Beira, Moçambique. 
A eles juntaram-se, em 1968, 19 Nord 2501-D Noraltas. que foram usados em Tancos para treino de pára-quedistas e, nas colónias, conjuntamente com os Douglas, deram suporte aéreo nas áreas de comunicação, lançamento de pára-quedistas, transporte de feridos, etc.

Especificações do Noraltlas2501-D
Motor: 2 x Bristol Hercules 758/759 de 2040 hp
Envergadura:................32,50 m
Comprimento:................ 21,96 m
Altura: ..................................6 m
Superfície alar:............101,20 m2
Peso vazio: ...................13075 kg
Peso equipado:............. 21500 kg
Velocidade máxima:.......... 431 km
Raio de acção: ................3000 km
Razão de subida.............. 375 m/min 
Tecto de serviço.............. 7500 m


 
O Auster D.5 / 160 (Foto FAP)
O Auster é a versão inglesa do avião americano Taylorcraft, desenhado por volta da II Guerra Mundial, e do qual derivaram várias versões.
Uma avioneta  capaz de descolar e aterrar
em espaços muito curtos.

Auster D.5 / 160
Portugal começou por adquirir 15 aviões da versão D.4 (108 hp). Em 1961, sob licença,  construiu  na OGMA 84 aviões da versão D.5, mais poderosos.
Este avião foi utilizado em missões de observação, transporte e evacuação sanitária, sobretudo nas Colónias, entre 1961 e 1974.

Especificações:
Motor:......Lycoming O-320-B2B de 160 hp
Envergadura................................. 10,97 m
Comprimento................................... 6,75 m
Altura.............................................. 2,51 m
Superficie Alar.............................16,92 m2
Peso vazio..................................... 616 Kg

Peso equipado............................... 950 Kg
Velocidade máxima...................... 203 km/h
Raio de acção................................. 740 km
Razão de subida......................... 228 m/min
 
Tecto de serviço............................ 3840 m


 
O Junkers Ju 52 / 3 m. Com um motor no "focinho" e um em cada asa.
Um avião feio e ronceiro, mas extremamente fiável. (Foto de um postal)


Detalhe do "focinho"

Junkers Ju 52 / 3 m
10 trimotores, de origem alemã, de bombardeamento e transporte, foram inicialmente importados em 1937 na versão g3e. Mais 2, em 1951, na versão g7e, e mais 14, em 1961, designados Amiot AAC-1 Toucan, fabricados em França. 
Antes da Guerra Colonial foram utilizados como aviões civis de transporte de pessoas e bens e, durante a guerra, sobretudo como aviões de transporte e lançamento de pára-quedistas.

Especificações:
Motores: 3x BMW 132-A de 600 hp cada
Envergadura......................... 29,25 m
Comprimento......................... 18,90 m
Altura...................................... 4,50 m
Superfície Alar.................... 109,48 m2
Peso vazio............................. 5603 Kg
Peso equipado..................... 11030 Kg
Velocidade máxima.............. 305 km/h
Raio de acção......................... 1300 km
Razão de subida.................... 210 m/min
Tecto de serviço....................... 5500 m
       


Um Douglas C-54 (Skymaster)   (Foto FAP)
.

Skymaster Douglas C-54
Os Douglas SC-54 e HC-54 tinham duas "bolhas de plexiglass" que eram duas largas e bombeadas janelas circulares na fuselagem traseira, para observação do oceano. São derivados do Douglas DC-4. 

Úteis em tarefas de transporte, lançamento de pára-quedistas, como avião hospital, na guerra electrónica, etc. Foram usados na Guerra Colonial, assim como os Douglas C-47.


DC-4 "Skymaster" a subir quase na vertical, de "barriga para cima". 
(Foto SAAF)
.

Um avião grande, e um grande avião, capaz de fazer manobras acrobáticas insuspeitas, como se vê na foto.

Propulsionados por 4 motores radiais Pratt & Whitney R-200, estes Douglas foram aviões  muito usados, tanto  na guerra como na vida civil por várias companhias aéreas como a TAP, e podiam voar rasando o solo, por exemplo a 3 metros.

Especificações:
Envergadura:                     35,81 m
Comprimento:                     28.63 m
Altura:                                  8,39 m
Vel. máxima:                     440 K Km/h
Raio de acção:                    6276 Km
Teto de serviço:                  6705 m
Peso vazio.                      17.237 Kg
Peso máx à descolagem: 33.112 Kg


Lockheed P2-5 "Neptune" (Foto de um postal)

Lockheed P2- 5 "Neptune"
Especificações
Motor - 2 Wright R-3350-32W de 3.500hp cada
Comprimento...................................27,93 m
Altura................................................8.94 m
Velocidade máxima .......................572 Km/h
Velocidade de cruzeiro ................332 Km/h
Raio de acção ................................5930 Km

Usados na Guerra Colonial, foram desenvolvidos pela Lockheed para missões de guerra electrónica, ataque antinavio e canhoneiro-voador.


O Lockheed Hércules C-130      (Foto SAAF)

Hércules C-130
Um quadrimotor de asa alta e trem retráctil, é o avião de transporte militar e de  ajuda humanitária presentemente mais usado.

O acesso de carga faz-se por uma porta traseira, que se abre em rampa, o que facilita o processo de carga e descarga de qualquer tipo de 
material,  e o lançamento de pára-quedistas ou mercadoria a qualquer altitude.
Já houve uma versão com portas de carga laterais. É uma aeronave muito versátil com  capacidade para a realização de missões de transporte aéreo geral e táctico, operações de combate a incêndios florestais, de patrulha marítima de busca e salvamento, de "avião mãe" para abastecimento no ar de combustível a outros aviões, etc. O primeiro protótipo saiu da fábrica Lockheed de Burbank em 23 de Agosto de 1954 como YC- 130, foi baptizado em 1955 como C-130A, sendo entregue ao TAC (Comando Aéreo Táctico) Americano em Dezembro de 1956. Apareceram cerca de 70 versões deste aparelho. A Inglaterra foi o seu primeiro utilizador Europeu, tendo apetrechado  alguns deles com uma fuselagem alongada, a que chamou C.Mk 3 .
Portugal tem as versões C-130H, um avião que pode ser usado como hospital, e o C-130H-30 que resultou no acrescentar de dois anéis à fuselagem do C-130H, tornando-o mais longo em cerca de 4,472 m. 
O C-130 pode voar rasando o solo, com mais facilidade do que o Douglas C-4, devido à posição  elevada dos motores.
 
Especificações C-130 H C-130 H-30
Comprimento 29,79 m 34,36 m
Envergadura 40,41 m 40,41 m
altura 11,65 m 11.65 m
Peso vazio 80000 lbs 85000 lbs
Peso máx. à descolagem 155000 lbs 155000 lbs
Peso máx de carga 40000 lbs 35000 lbs
Passageiros 92 128
Tropas de infantaria 78 114
Pára-quedistas 64 92
Macas/paramédicos 70/6 ou 74/2 93/8 ou 97/4
Combustível 64000 lbs 64000 lbs
Teto de serviço 35000 pés 35000 pés
Vel. máx. ao nível do mar 589 Km/h 589Km/h
Vel. de cruzeiro 547 Km/h 547 Kmh
Raio de acção 6480 Km 6480 Km
Motores  4 x Allison T-56-A-15,     turbo-hélice  de 3362 Kw
Alguns outros tipos de Hércules:
*) AC-130 , (AC-130A e AC-130 U "Spectra"). É utilizado como "fortaleza", dai a ter a alcunha de "Canhoneiro Voador", equipado com um arsenal bélico de respeito: dois canhões Vulcan de 20 mm, um canhão Botors de 40 mm e um obus de 105 mm, podendo levar mísseis, bombas, etc. Está equipado para fazer patrulhas nocturnas.
*) EC-130  , (EC-130 E, ABCCC, EC-130RR River Rider,  EC-130 Compass Call) usado sobretudo como comando e controlo e para a guerra electrónica, provocando perturbações nas comunicações inimigas.
*) HC/MC-\30, de que há várias versões.  Por exemplo, o MC-130 Combat Talon é usado em missões de infiltração secreta e de salvamento, sobretudo de pilotos, estando equipado com uma forquilha no nariz, parte do  sistema Fulton ATAR, de salvamento de pilotos.
O HC-130N é um avião de salvamento, de combate, tendo capacidade para incluir um sistema de reabastecimento em voou.
Todos estes aviões são fisicamente parecidos, salvo em alguns pequenos detalhes, com o C-130.


Um monumento com um Fiat G-91R/3, autêntico, na Praça Associação de Especialistas da Força Aérea, oferecido pelo Comando da Base do Montijo.  (Foto FAP)
.

Fiat G-91

"A Força Aérea adquiriu os primeiros Fiat G91 em 1966 tendo chegado a ter 74 aparelhos deste tipo, nas versões R/3 e R/4, mais 11 bi-lugares na versão T/3. Avião de apoio de fogo e reconhecimento fotográfico, entrou ao serviço na Base Aérea 5 e foi largamente utilizado na Guiné (Esquadra 121 - Tigres - sediada na Base Aérea 12 em Bissalanca) e em Moçambique (Esquadra 502 - Jaguares - sediada em Nacala, e Esquadra 702 - Escorpiões - em Tete Chingosi) tanto em missões independentes como em apoio às forças de superfície.
Efectuaram ainda destacamentos em Angola (Base Aérea 9 - Luanda) ...". Fonte: FAP.


Fiat G-91 (Foto FAP)

Especifações do G- 91
Motor -Turbina Bristol Siddeley Orpheus 80302 
              de 2270 kgf 
Envergadura................................... 8,56 m 
Comprimento................................. 10,29 m 
Altura.............................................. 3,98 m
Superfície Alar.............................. 16,40 m2
Pesos - Vazio.................................. 3300 Kg
Equipado.......................................... 5670 Kg
Performances: 
Velocidade máxima....................... 1090 km/h
Raio de acção................................. 1850 km 
Razão de subida............................. 1830 m/min 
Tecto de serviço............................ 13260 m 


O  Republic F-84G "Thunderjet"   (Foto FAP)
.

Republic F-84
Começou a sua vida activa em 1950 substituindo o F-51 Mustang  e o F-80C Shooting Star, como caça bombardeiro subsónico. 

O F-84G, foi o primeiro caça da USAF com capacidade para ser reabastecido no ar, tendo sido extensamente  usado, por exemplo,  na Guerra da Coreia. Na ponta das asas pode levar tanques auxiliares de combustível.
Em 1953 Portugal recebeu 125 Thunderject, que foram distribuídos por várias bases, e largamente utilizado operacionalmente em Angola e esporadicamente, em Moçambique. Foram "abatidos" em 1974.

Especifações do F-84 G
Motor - Turbina Allison J-35-A29 de 2542 kgf
Envergadura................................ 11,09 m 
Comprimento.............................. 11,61 m
Altura........................................... 3,84 m
Superficie Alar........................... 24,15 m2
Pesos - Vazio............................... 5030 Kg
Equipado....................................... 10670 Kg
Velocidade máxima.................... 1000 km/h 
Raio de acção............................... 1400 km 
Razão de subida.......................... 1524 m/min
Tecto de serviço.......................... 12500 m
Dos aviões  militares a jacto "fora de moda", continua a ser um dos preferidos por pilotos dos E.U.A, em festivais de aviação.

Mikoyan Gurievich MiG-17 Fresco

Este Mig-17, marcado Nº 21 foi o Mig tripulado por um piloto militar da Frelimo que desertou para a África do Sul em 1985.

Esta foto, tirada pela força aérea Sul-Africana, mostra o momento em que passa junto ao Voortrekker Monument, nos arredores de Pretória.

O Mig 17 (e 5 versões principais dele) derivou de um redesenhar do Mig-15 Fagot / Midget. Foi construído aos milhares em vários países como a Polónia, Checoslováquia e China, e usado em cerca de 30  países. Um excelente avião, para a sua época.

Quando foi decidido, em  Dezembro de 1975, enviar tropa Cubana para Angola, com ela foram enviados 9 Mig-17F e um Mig-15TI, com os quais se formou um esquadrão da FAPA, composto por Cubanos e sob o comando do major José A. Montes. 
Estes Mig-17F tiveram o seu baptismo de fogo contra a FLEC de Cabinda. Nesta guerra os Cubanos também usaram o Mig-21MF, sobretudo no Sul de Angola, contra a Unita.

Especifações dos  Mig-17AS  e (Mig-17F Fresco-C)
  
Fonte: uma brochura militar, mas há pequenas divergências entre diversas fontes!

Ano ..............................................................1949 (1951)
Comprimento, m..........................................11,26 (11,26)
Envergadura asa a asa, m............................9,60   (9,63)
Altura, m........................................................3,80   (3,80)
Superfície Alar, m2......................................22,60 (22,60)
Peso vazio, kg.............................................3,798 (3,950)
Peso normal à descolagem, kg....................5,340 (5,354)
Peso máximo à descolag.............................5,929 (6,069)
Combustível, kg...........................................1,173 (1,170)
Velocidade máxima, km/h............................1,070 (1,154)
Velocidade máx. ao nível do mar, km/h..................1,060
Raio de acção, km ....................................................1,165 (1,160)
Raio de acção com tanques suplementares, km.........1,907 (2,020)
Teto , m....................................................................14,700 (16,470)
Poder de subida, m/s ...............................................75 (65 sem AB)
G..............................................................................................8   (8)
Propulsão.............................................Klimov VK-1A (Klimov VK-1F)
Potência, kg.................................................................2,700 (2,600)
Potência com  "afterburning".................................. não tem  (3,380)
Canhões...................................um ND-37D de 37mm  e dois N-23 de
23mm. Sob as asas pode levar bombas até um total de 500 Kg,
mísseis ar-terra e mísseis ar-ar.


Helicóptero Alouette III  (ALIII)   Alcunha "O Mosca".  (Foto  FAP). 
Na Guerra Colonial foram usados este, e o Allouete II.


O Alouette II
O Alouette II era muito parecido com
 o Bel H-13 Sioux, entre outros.

O Alouette III
Desenvolvido pela Sud-Aviation, que mais tarde se passou a chamar Aeropatiale, o protótipo do Alouette III, que substituiu o Alouette II, foi testado em 1959. Foram introduzidos em Portugal em 1963, que parece ter sido o primeiro país que os usou em combate, em missões diversas, desde transporte ou evacuação médica até ao apoio de fogo e escolta.
Os Sul-Africanos chamavam-lhe o "Draadkar" ou "carro arame", designação que vem do facto do seu antecessor, o AL II ter 3 secções bem distintas: À frente, a bolha de cabina do piloto, no meio, a estrutura do motor e, finalmente, uma cauda que era um emaranhado de  barras

Especificações
Comprimento(rotor em movimento): 12,84 m
Diâmetro do rotor:  ...........................11.02 m
Altura:................................................ 2,97 m
Velocidade máxima:........................ 210 Km/h
Raio de acção:................................... 520Km
Peso vazio: ......................................1243 Kg
Peso máx. à descolagem: ................2100 Kg
Tripulação: 1 + 6

.

E, já agora, uns caças um pouco menos antigos.

Topo: O americano Lockheed  F-16    (Foto: Panfleto da  Lockheed Martin).

Em baixo à esquerda: O francês, Dassault Mirage 2000 N de asa em delta. O 2000 tem várias versões, com ou sem tubo de alimentação em voou. (Foto de um panfleto)

Em baixo à direita: O Mig-33 é um derivado do Mig-29 (M). (Foto VAR)
Reparar na cauda de duas asas verticais,  "derivas verticais"  com uma ligeira inclinação para fora.

Outros Migs: O Mig -31 "Foxhound" derivou do Mig-25 "Foxbat" que fora desenhado principalmente para abater bombardeiros de grande altitude voando a Match 3.

O Mig 25, por sua vez substituíra modelos mais antigos como o Mig-19 
" Farmer-E",  e um dos mais famosos e temidos caças, o Mig-21, " Fishbed-F".

 Siglas:   FAP = Força Aérea Portuguesa: www.emfa.pt/museu/aero0.htm    
 SAAF = Força Aérea Sul- Africana
 Var = Força Aérea Russa


| Home | Topo |

Act 0409060938